Matéria Escura é um livro louco. É um livro para se ler num suspiro. É um livro extremamente viciante.

Guiados pela pergunta inicial “você é feliz com a vida que tem?” os leitores são inseridos no mundo criado por Blake Crouch. Jason Dessen vive uma vida comum, é professor de física em uma universidade, tem uma esposa por quem é apaixonado e um filho querido. Até que em uma noite ele é sequestrado e tudo isso lhe é tirado. Pois ao acordar Jason se vê rodeado por pessoas que aguardavam sua chegada ansiosamente, pessoas que lhe dizem que ele foi responsável por realizar um feito (aparentemente) impossível: o de viajar entre universos paralelos.

Honestamente as primeiras 60 páginas do livro foram um tanto quanto irritantes para mim. Eu assisti a série baseada em outro livro do autor, Wayward Pines, e foi inegável a semelhança. Nas primeiras 40 páginas o protagonista é sequestrado e forçado a dirigir rumo a uma determinada localização e essa grande cena foi muito enrolada para mim, e depois em outras 20 páginas quando Jason acorda, em um hospital, outra semelhança gritante com Pines (o que me leva a crer que o autor gosta muito de cenas desorientadoras, claustrofóbicas e confusas em hospitais sinistros onde o personagem precisa escapar a todo custo). Mas apesar disso tudo eu não desisti do livro, e permaneci intrigada com o que poderia se desenrolar desta premissa. E de fato não me desapontei. O livro é extremamente devorável, li mais de duzentas páginas em uma noite, porque não podia largar o livro e parar de ler sem saber o que viria a seguir?

É um mistério. Mas existem evidências. A maioria dos astrofísicos acredita que a força que mantém as estrelas e as galáxias unidas, aquilo que faz todo o universo funcionar, vem de uma substância teórica que não se pode medir nem observar diretamente. O que eles chamam de matéria escura. E essa matéria escura compõe a maior parte do Universo conhecido.

Apesar da incontestável “viciosidade” do livro, tive certos problemas com a escrita do autor. Demorei a me acostumar com a escrita extremamente pausada, onde o autor faz muitas quebras e as frases acabam ficando cortadas. Depois que superei essa estranheza inicial as páginas voaram, mas mesmo assim não gostei do estilo do autor. E preciso mencionar que apesar de as descrições do autor serem bem fracas, basicamente substantivos colocados em sequencia, de alguma forma consegui formar os cenários em minha mente, e acabei pensando que o livro daria um bom filme (com essa plot não tem como não) e em alguns pontos a escrita do autor me lembrou um roteiro.

Voltando a trama, o prato cheio, a cereja do bolo da ficção científica (risos). Se você gosta de coisas relacionadas a temática de multiversos você vai amar este livro. Parte do que gostei sobre as explicações do autor é que elas não são constantes, como num livro de ciências, e também não são jogadas na cara do leitor na esperança de que você compreenda os conceitos complexos da mecânica quântica. Pelo contrário, ouve um cuidado muito grande na parte da pesquisa que o autor realizou para entender essas teorias, para então explicá-las a quem estiver lendo seu livro. Eu amo essas coisas sci-fi que tem haver com multiversos, universos paralelos etc, então para mim foi incrível ter lido este livro. Houve alguns momentos onde coisas eram explicadas ou plot twists aconteciam que eu simplesmente ficava boquiaberta e pensava “este livro é muito doido!”

A interpretação dos Muitos Mundos postula que todas as realidades possíveis existem. Que tudo que tem a possibilidade de acontecer está acontecendo. Tudo que poderia ter ocorrido em nosso passado ocorreu, só que em outro universo.

Um dos questionamentos mais interessantes que o livro propõe é o famoso “e se eu tivesse escolhido diferente?” “e se eu tivesse ido pelo outro caminho?” e juntamente com toda essa coisa de multiversos o livro cria uma história bem construída, original e intrigante. A sede por respostas é o que faz você virar as páginas cada vez mais rápido, Matéria Escura é uma leitura eletrizante, é uma leitura desesperada onde a cada página tudo pode mudar.

Na minha mente é muito fácil dividir o livro em três partes, isso porque acorrem essas três grandes plot twists que modificam todo o rumo da narrativa, e posso dizer que gostei de todas. É difícil falar sobre o livro sem dar spoilers, mas acho que consegui passar um pouco do feeling que eu senti enquanto lia. É um livro que eu recomendo muito, que faz você se sentir pequeno comparado a imensidão do universo (ou universos, rs) e faz o seu cérebro explodir em questionamentos e novas possibilidades. Enfim, é uma experiência fantástica.

Acompanhe o Prateleira de Ideias nas redes socias:

facebook | instagram | youtube | goodreads

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s