Bom, preciso começar esse post dizendo que mais uma vez minha relação com um livro do John foi de amor e ódio. Mas mesmo que o começo eu tenha tido minhas criticas com esse livro, ele acabou por me surpreender de um jeito muito bom. Hazel Grace é uma menina com câncer nos pulmões. Ela recebeu seu primeiro diagnostico com treze anos e hoje aos dezesseis ainda luta um pouco para respirar com a ajuda de seu tanque portátil de  oxigênio ao qual ela carinhosamente apelidou de Philip.

“Alguns infinitos são maiores que outros”

DSC01793

DSC01754

Lá pelas primeiras cem páginas me desanimei um pouco, não sei ficou meio enrolado e eu não estava conseguindo ler, aliás, a minha versão é em inglês e consegui o livro numa pechincha então, não pude deixar de comprar. Mas eu sabia que não podia desistir, porque depois da minha última experiência com John em O Teorema Katherine, e ainda mais sabendo que o sucesso de A Culpa é das Estrelas foi tão grande eu tinha que ler, se tem uma coisa que me deixa muito irritada é quando um livro faz um enorme sucesso, e eu ainda não o li.

Enfim, eu continuei lendo, e acabei me apaixonando irrevogavelmente, por ele. Os dramas de Hazel se tornaram os meus, e eu finalmente pude compreender um pouco mais como é ser um paciente com câncer terminal.  Apesar de não dar a minima para o Grupo de Apoio, a pedido da mãe Hazel se esforça para comparecer todas as quartas-feiras. E graças a sua mãe sua vida tomou um rumo completamente inesperado. Hoje a um rosto novo no Grupo de Apoio. E ele não para de olhar para Hazel.

“Meus pensamentos são estrelas que eu não consigo arrumar em constelações”

DSC01778

DSC01753

DSC01780

DSC01751

E é assim que ela conhece Augustus Waters. Ele sofreu de uma doença chamada Osteossarcoma que é uma espécie de tumor maligno que se propaga pelos ossos, devido à isto ele teve de amputar sua perna e agora usa uma prótese no lugar, um pequeno lembrete de tudo que aconteceu. E o que falar dos cigarros? A primeira vista Hazel acha o fato incrivelmente idiota, mas depois tudo faz sentido “É uma metáfora, ele diz, você coloca a coisa que tem o poder de te matar na sua boca mas, não lhe da o poder para tal”. E apesar dos esforços de Hazel, em tentar ser apenas amiga dele, Gus é simplesmente perfeito. Logo no começo do livro Hazel e Gus trocam seus livros favoritos entre si, para que um possa ler o que o outro mais gosta, e assim uma oportunidade única surge na vida dos dois.

“Me apaixonei do mesmo jeito que alguém cai no sono: gradativamente e de repente, de uma hora para outra.”

Admito que fiquei profundamente surpresa com o final, e lágrimas rolaram dos meus olhos de uma forma triste e sentida. Meus óculos se embaçaram e eu sucumbi a emoção das palavras de John. Mal pude conter a minha felicidade momentos depois quando descobri que o filme havia começado a ser gravado e está previsto para 2014.

“Esse é o problema da dor, ela precisa ser sentida.”

“As marcas que os seres humanos deixam são, com frequência, cicatrizes.”

Mais uma vez John arrebatou meu coração e me deixou com uma imensa saudade de sua história e de seus personagens, mesmo muito depois de lido. E aliás também me deixou com uma vontade imensa de ter um Gus na minha vida, haha.

PS: Admito que procurando os quotes para o post percebi o quão melhor eles soam em inglês, tipo muito mais reais.

DSC01768

DSC01767

DSC01761

DSC01782

DSC01796

Editora: No Brasil Intrínseca, o meu livro é da Penguin Books

Autor: John Green

Título Original: The Fault in Our Stars

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s